nexo

O que esperar da Lava Jato da Educação

De pente fino na gestão de recursos a mudanças em diretrizes contra uma ‘agenda globalista’ e uma ‘fábrica de militantes políticos’, proposta de Bolsonaro ainda não é clara

Por Juliana Sayuri
De São Paulo
(Para Nexo – 5/3/2019)

A expressão veio a público em 14 de fevereiro de 2019, após a assinatura de um protocolo de intenções do governo Jair Bolsonaro. Estava criada ali a chamada “Lava Jato da Educação”. Assinaram o documento o ministro da área, Ricardo Vélez Rodriguez, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, o controlador-geral da União, Wagner Rosário, e o advogado-geral da União, André Mendonça.

Desde então, Bolsonaro passou a defender a apuração de indícios de corrupção nos contratos do Ministério da Educação. “Muito além de investir, devemos garantir que investimentos sejam bem aplicados e gerem resultados. Partindo dessa determinação, o ministro professor Ricardo Vélez apurou vários indícios de corrupção no âmbito do MEC em gestões passadas. Daremos início à ‘Lava Jato da Educação’”, disse o presidente na sua conta pessoal no Twitter em 15 de fevereiro. […]

384.png

Comments:

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s