aliás – estado

Horizonte árido

Por Juliana Sayuri
De São Paulo
(Para O Estado de S. Paulo – 23/3/2014)

1

Secou. Desta vez, faltaram as águas de março fechando o verão. O Cantareira, principal reservatório a hidratar a Grande São Paulo, marcou 14,5% de volume armazenado na sexta-feira, cravando novo recorde negativo desde 1974. São Pedro não colaborou desde dezembro, o cidadão abusou, o político tergiversou e, no fim, São Paulo poderá amargar dias mais secos neste outono.

“Política é a arte de firmar compromissos. Nesse campos ambientais, isso é muito difícil – Kyoto está aí pra não desmentir ninguém”, afirma Benedito Braga, engenheiro civil, Ph.D. por Stanford e professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. “No limite, é competência da cidade. Está na Constituição: prover água é prerrogativa constitucional das prefeituras. Seria do governo do Estado se estivéssemos discutindo obras. Mas agora, para resgatar o Cantareira, nem adianta correr atrás de obras, que ficariam prontas em talvez três anos – e até lá já teríamos morrido de sede”, critica. Que fazer? “Racionar. É a única saída. Não me refiro ao rodízio, que fique claro: racionar é consumir menos que o usual.” […]

Comments:

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s